26 de setembro de 2016

6 dicas para iniciar no Hike and Fly

Texto: Leandro Montoya
Revisão Técnica: John Betcher e Christian Boettcher
Fabio Ferreira "Pé"arrumando linhas de seu parapente no Pico dos Marins - SP

Introdução


São muitos os benefícios de subir a montanha caminhando até o ponto de decolagem, voce pode conferir e se motivar a praticar essa atividade lendo nosso outro artigo: 5 motivos para praticar Hike and Fly,
O texto abaixo é direcionados para pilotos de parapente formados que desejam iniciar na prática do hike and fly.
Se voce é um piloto iniciante ou aluno, recomendamos que esteja acompanhado de seu instrutor ou companheiros mais experientes para ajudar na avaliação dos riscos da rampa, condições de voo e pouso.

1)      Consiga um parceiro apropriado:

Seria perfeito realizar a primeira expedição hike and fly com pilotos já experientes nessa atividade. Se isso não for possível, procure um parceiro de confiança, disposto e prestativo. Melhor se for um piloto de parapenteou asa, mas não há problema caso não seja.
O parceiro ideal tem alto astral, conhece a trilha para subir a montanha e sabe andar no mato. Ele é capaz de usar um rádio e sabe pedir ajuda rapidamente. Uau, ele tem até treinamento em primeiros socorros!




2)      Escolha a montanha certa:


Para escolher a montanha certa, vamos levar em consideração 2 itens: a trilha e a rampa

A trilha deve apresentar um grau de dificuldade adequado ao condicionamento fisico do piloto. A ideia é caminhar de maneira prazerosa em ritmo confortável. Como referencia, trilhas que exijam até 45min são factiveis para iniciantes.

A montanha certa apresenta um local de decolagem seguro. Abrir uma nova rampa exige uma série de decisões e cuidados, veja mais sobre rampas no item específico mais abaixo.
Nos parece uma boa idéia iniciar o hike and fly no local habitual de voo, basta deixar o carro no pouso e subir caminhando, nas primeiras vezes voce pode pedir para seus amigos levarem seu equipamento no carro deles!

Caso a decisão seja explorar uma rampa fora do local habitual de voo, vale a pena contatar um piloto ou montanhista local, eles tem sempre informaçoes atualizadas e dicas valiosas.

A avaliação das condições de voo e de pouso são as mesmas que em qualquer sitio de voo convencional. O piloto deve ser capaz de realizar uma avaliação autonoma.

Créditos Imagem: Lucas Dantas

3)     Equipamento: alivie peso, mas leve lanche e água

O piloto deve levar apenas itens IMPRESCINDÍVEIS: Velame, selete, paraquedas reserva, variometro, radio e capacete.
Não levar painel de instrumentos, "roubada bag", gabarito, lastro, etc.
Levar lanche reforçado e água abundante, frutas secas  e barrinhas de cereal também vão bem.
A mochila deve estar regulada e precisa ter uma barrigueira.
O vestuário deve contemplar itens de proteção como oculos de sol e luvas e blusa leve.
Hoje em dia há parapentes e seletes apropriados para hike and fly. Eles sao leves e praticos de carregar.
Penso que os pilotos podem comecar no hike and fly com o equipamento convencional e ir comprando equipamentos leves aos poucos. 

Alivie o peso, mas capriche no lanche!


4)      Esteja 100% seguro sobre a trilha

A caminhada é muito mais prazerosa e revigorante para a mente quando o piloto conhece o caminho e está seguro. 
Quando o piloto não está seguro da trilha, aparece ansiedade e gasta-se muita energia com medo de se perder.
Chegar na rampa mentalmente esgotado pode levar a avaliações incorretas.

Portanto, reúna todas as informações possíveis sobre o caminho, converse com os locais ou vá com um amigo que conheça a trilha.
Importante começar a caminhada bem cedo para evitar o sol forte do meio do dia e ter mais tempo na rampa para descansar e avaliar a condição de voo.

Alvaro Pidde preparando-se para decolar no Pico dos Marins, depois de 2,5h de caminhada e 4h esperando condição de voo


5)      Avaliação  da rampa

Decidir o local da decolagem é uma parte MUITO DELICADA  da atividade Hike and fly. Dedique-se nesse tarefa com afinco e sem pressa.
Geralmente os locais de decolagem apresentam mais de uma opção de rampa ou saída. Listamos abaixo os critérios que usamos para determinar a rampa mais segura:

A rampa mais segura é aquela que, nessa ordem:

- Esteja com o vento de frente (ou apenas um pouquinho lateral),
- Não apresente outros morros a frente que possam gerar rotores logo após a decolagem
- Apresente espaço suficiente para abortar 
- Não apresente precipício a sua frente,
- Não apresente árvores altas logo após a decolagem
- Apresente poucos buracos, enroscos, plantas, pedras grandes

Outro desafio é não destruir a mata. Arrancar plantas ou arvores para preparar uma decolagem é inadmissível.


A go pro na cabeça é um risco desnecessário, em caso de colapso as linhas podem se enroscar na camera e agravar o acidenteCréditos Imagem: Lucas Dantas

6)      Esteja pronto para voltar sem voar

Esteja pronto para voltar caminhando se a condição de voo ou decolagem for perigosa.
A preguiça de voltar andando pode fazer voce tentar uma decolagem arriscada.
Para escapar da tentação de " forçar a barra na decolagem", um exercício psicológico pode ajudar:

a)    Pergunte a si mesmo: As condições estão adequadas para minhas habilidades? Se a resposta for não ou se voce titubear,  não decole e volte caminhado. Sempre haverá outra chance de voar.
b)      A caminhada por si só é uma atividade completa. Sinta-se feliz por ter realizado pela caminhada. O voo é a cereja do bolo e não o bolo inteiro.


Notou alguma dica importante que não citamos? Comente!



10 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Ola galera, parabens pelo blog!
    Gostei do post, se quiserem enriquecer um pouco mais, senti falta apenas de mais dicas sobre o equipamento. Tudo bem, disseram que tem que ser leve, porem se fosse mais especifico como, qual o peso ideal, marcas e modelos, tipos de velas e seletes etc. Talvez valha a pena ate um post so sobre isso. Grande abraco amigos de voo!

    ResponderExcluir
  3. Oi Pardal!
    Grato pelo incentivo e sugestão.
    Sim, é nossa vontade escrever um ou mais matérias sobre equipamentos e seu comentário reforça essa necessidade.
    Finalmente encontramos um especialista no tema que vai nos ajudar com esses textos de qualidade.
    Esperamos ter novidades ainda esse mês.
    Forte abraço.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pelo trabalho de divulgação dessa prática. Estou me formando agora como piloto de parapente e desde sempre minha ideia é fazer o Hike and Fly. Por ser do Rio, estou na serra em 40min e na praia em 20min, e porque não aproveitar essas facilidades?
    Pretendo ainda montar uma equipe para fazer expedições desse tipo no estado todo. Gostaria de contribuir com fotos, vídeos e informações dos locais que visitaremos.
    Obrigado pelas informações postadas por vocês!!!

    Abraços.
    Rafael Rodrigues

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael

      A esta altura voce já deve estar formado.
      Sim, mande os relatos para gente, o Rio de Janeiro é o berço do nosso esporte no Brasil e o Hike and Fly ainda está muito pouco explorado por ai.
      Bons Voos!

      Excluir
  5. Uma dica interessante é utilizar bastões de caminhada! Me ajudaram muito naquele HF "hard" da Pedra da Mina-Serra Fina! Por sinal, quando voltaremos? Já está na hora! Rsrsrs Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Guilherme, vou adicionar na lista!

      Excluir
  6. Alguem ja decolou da Pedra do Sino aqui em Teresópolis?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bizuco

      Não conheço ninguém que tenha decolado da Pedra do Sino. Se voce já fez o voo ou conhece alguém, manda o relato para gente, sem dúvida um lugar mais que especial.

      Abraços e obrigado

      Excluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir